• Corona Vírus Orientações
  • Curta no Facebook
  • Nosso Instagram
  • Veja no YouTube
  • Feed RSS
  • Programação Pelourinho
  • TVE










  • Educadora FM
  • Agenda Cultural (Funceb)
  • Respeita as Mina
  • Mapeamento dos Conselhos Municipais de Cultura em ATUALIZAÇÃO
  • MROSC

Conselho Estadual de Cultura

05/03/2020 07:30

Samba de Roda do Recôncavo se torna Patrimônio Imaterial da Bahia

 
O Governo do Estado da Bahia reconheceu o Samba de Roda do Recôncavo como Patrimônio Imaterial da Bahia. O decreto foi publicado na manhã desta quinta(5), no Diário Oficial. Como uma das mais importantes expressões culturais presente em todo o Estado da Bahia, o ritmo tem sua característica mais presente no Recôncavo Baiano. Profundamente ligada aos africanos, parte das características do ritmo são preservadas por comunidades quilombolas e mistura traços culturais com inúmeras variantes, como o samba chula, samba corrido, samba barra vento, entre outros.
Os toques compassados e bem ritmados são formados por instrumentos de corda, marcação, pandeiro, palmas e até mesmo o som de uma faca riscando um prato compõem a condução do ritmo, juntamente com as vozes marcantes dos sambadores e sambadeiras da Bahia. Com diversos representantes pelo estado, o Samba de Roda carrega marcas da herança histórica que são passadas de geração em geração.
O parecer sobre o registro imaterial do Samba de Roda do Recôncavo Baiano é de autoria da ex-conselheira Nide Nobre, avaliado através da Câmara de Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Natural e aprovado pelos membros do CEC/BA. Reconhecimento -  O Recôncavo Baiano é considerado o berço do samba brasileiro, além da música e da dança, o ritmo reúne elementos que fizeram o samba ser registrado como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 2004, e recebeu logo em seguida, em 2015, o reconhecimento como Obra-Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Nide Nobre (ex-conselheira) e Dona Dalva Damiana

(registro durante Sessão Especial do Conselho em Cachoeira). Foto: Ascom/CEC

Em dezembro de 2019, o Conselho Estadual de Cultura da Bahia realizou uma Sessão Especial na Câmara Municipal de Cachoeira, celebrando a aprovação do parecer de registro, a expectativa na época para o reconhecimento da manifestação popular como patrimônio reuniu diversos sambadores e sambadeiras do Recôncavo Baiano, que encerraram a sessão com muita samba de roda na Casa do Samba de Dona Dalva Damiana, Doutora Honoris Causa e uma das mais importantes representantes do ritmo no estado.

Conselho Estadual de Cultural da Bahia - Órgão colegiado do Sistema Estadual de Cultura, o Conselho Estadual de Cultura da Bahia (CEC) tem entre suas atribuições a missão de apreciar e contribuir com a elaboração e o cumprimento do Plano Estadual de Cultura. Além disso, deve propor e estimular a discussão sobre temas relevantes para a cultura na Bahia, assim como promover a participação da sociedade civil na definição e fiscalização das políticas, programas, projetos e ações culturais.  Compete ao CEC, entre outras atribuições, deliberar tecnicamente sobre os processos de tombamento, registro e salvaguarda de bens materiais e imateriais do estado, mediante dossiês previamente construídos pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC). Quando aprovados no Conselho de Cultura, os processos são direcionados para a governadoria e posteriormente encaminhados para aprovação do governador.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.